Por Fora
das Pistas

Notícias

10 de maio de 2018

Saúde Animal – FEI alerta para o surto de Rinopneumonite na França

Aviso importante para os atletas, Comitês Organizadores e Federações Nacionais

O Departamento Veterinário da FEI chama a atenção para os surtos em curso do Vírus Herpes Equino (EHV) causador da Rinopneumonite.

A RESPE, o sistema francês de notificação de surtos de doenças relatou 22 locais que foram infectados pelo Vírus Eqüino do Herpes (EHV) desde janeiro de 2018.

As regiões da Normandia, Bretanha e Vale do Loire são as mais afetadas. Os surtos afetaram principalmente as populações de cavalos esportivos, mas também as criações de cavalos e recentemente causaram o cancelamento de alguns eventos no oeste da França.

O vírus

O EHV causa quatro síndromes clínicas:

– Doença respiratória
– Aborto
– Morte de potro neonatal
– Doença neurológica

A doença respiratória é a mais comum dessas síndromes.

Sinais clínicos
Doença respiratória – Alta temperatura corporal, tosse, secreção nasal. Os cavalos afetados geralmente parecem indispostos e não comem ou bebem normalmente.

Doença neurológica – Alterações comportamentais, falta de coordenação dos membros posteriores (e ocasionalmente). Retenção / drenagem de urina, cólica leve, fraqueza da bexiga, incapacidade de se elevar. Os sinais neurológicos podem ser seguidos por febre e sinais respiratórios.

Em cavalos vacinados, os sinais clínicos são em grande parte atenuados ou ausentes, mas os cavalos vacinados podem, se infectados, também disseminar o vírus.

Transmissão
A principal via de transmissão é diretamente por aerossóis de cavalos infectados, que tossem ou bufam. O vírus pode sobreviver no meio ambiente por algumas semanas. A transmissão indireta também pode ocorrer, por exemplo, através de mãos não lavadas, tachinha ou roupas, etc. Fetos abortados são altamente contagiosos.

Uma vez que o cavalo foi infectado, ele se torna um portador silencioso do vírus pelo resto de sua vida. O vírus permanece em estado latente (sem sinais clínicos), mas pode ser ativado por estresse e causar doença a qualquer momento.

Tempo de incubação
Pode ser tão curto quanto 24 horas, mas normalmente 4-6 dias ou às vezes mais.

Diagnóstico
Em casos agudos de doença respiratória ou neurológica, a amostragem de esfregaço nasal pode ser realizada. A amostra é analisada por PCR que pode detectar o vírus.

Gestão de casos suspeitos e confirmados
• Entre em contato com um veterinário imediatamente se houver suspeita de doença.
• Isole o cavalo suspeito.
• Pare todos os movimentos dentro e fora das instalações até que seu veterinário o aconselhe e por pelo menos 28 dias.
• Desinfete e destrua a cama, limpe e desinfecte as instalações, o equipamento e os veículos utilizados no transporte de cavalos.
• Maximizar a biossegurança –

Vacinação
A vacinação continua sendo uma medida preventiva eficaz, embora não ofereça proteção total.

• Cavalos que foram totalmente vacinados, com o último reforço dado nos últimos seis meses, têm boa proteção.

• Para cavalos já vacinados, mas o último reforço foi dado há mais de seis meses: recomenda-se que estes cavalos recebam um reforço na condição de estarem saudáveis e não terem estado em contacto com surtos comprovados ou suspeitos.

• Para cavalos não vacinados e não expostos que não tenham estado em contacto com surtos conhecidos ou suspeitos, a vacinação também pode ser considerada, mas terá pouco efeito no caso do cavalo ser exposto ao vírus. O curso primário de vacinação requer pelo menos duas injeções com um intervalo de um mês **. A proteção começará a ser eficaz após a segunda injeção ou quatro a seis semanas após a primeira injeção.

• Para cavalos expostos ao vírus e que podem estar na fase de incubação (uma semana), a vacinação não é recomendada e teria pouco efeito. Em um cavalo doente, a primeira injeção pode não levar a qualquer resposta imunológica, ou pode até causar um desenvolvimento mais rápido da doença.

** O protocolo de vacinação varia de acordo com a marca da vacina utilizada.

Medidas de prevenção no local da competição aplicáveis a todos:

1. Verifique e registre a temperatura do corpo do cavalo duas vezes ao dia. Qualquer temperatura acima de 38,5 deve ser imediatamente comunicada ao Gerente do Serviço Veterinário / Delegado Veterinário.

2. Avalie o estado geral do seu cavalo: apetite, bebida, comportamento, frequência respiratória, frequência cardíaca, micção e defecação, descargas nos olhos ou nariz, como o cavalo está de pé e em movimento, pernas inchadas

3. Ter aderência / equipamento dedicado para cada cavalo e desinfectar o bocado depois de andar.

4. Não compartilhe baldes;

5. Lave e desinfete as mãos.

6. Não deixe os cavalos cheirarem um ao outro, limite o contato tanto quanto possível, incluindo o contato humano, além do cavaleiro e do noivo comum.

Conselhos para os Comitês Organizadores da FEI

1. Se os cavalos locais forem mantidos no local do evento, você deve avaliar o status de EHV desses cavalos. Peça a um veterinário para amostrar 10-20% desses cavalos aproximadamente 10 dias antes do evento.

2. Limpe e desinfete os estábulos e outras instalações onde os cavalos da FEI estarão. Esta é uma prática padrão para os estábulos da FEI e deve sempre ser realizada.

3. O exame na chegada deve sempre ser realizado antes que os cavalos possam entrar nos estábulos da FEI. É aconselhável que as temperaturas dos cavalos que chegam sejam registradas.

4. Sob as condições atuais, é crítico

Para mais informações contacte o Diretor de Veterinária da FEI, goran.akerstrom@fei.org .

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.