Por Fora
das Pistas

Notícias

4 de setembro de 2015

Saúde Animal >> A importância do sal

O sal foi desde sempre tão importante que o ordenado pago antigamente aos trabalhadores era em sal, daí o termo salário. Para o cavalo domesticado o sal é essencial para o equilíbrio dos líquidos no organismo, protegendo-o da desidratação. O sal também tem um papel importante na estabilização do sistema nervoso, músculos e sistema digestivo. A falta de sal pode provocar a desidratação, diminuição da capacidade de trabalho e incapacidade de transpirar.

A insuficiência de sal também pode levar o cavalo a adquirir hábitos indesejáveis, como por exemplo o de comer as fezes, numa tentativa de repor o nível de cloreto de sódio. Se lhes for dada a oportunidade para isso a maior parte dos cavalos sabe dosear adequadamente a ingestão do sal.

A grande maioria das rações concentradas existentes no mercado já contêm sal na proporção adequada para cavalos em programas de pouca atividade mas isso não invalida que se lhes deva dar acesso ao sal uma vez que a sua necessidade varia de acordo com a quantidade e tipo de trabalho, as condições climatéricas e o stress que lhe seja imposto.

Um cavalo com cerca de 460kg de peso, em descanso ou trabalho ligeiro pode comer 4 colheres de sopa de sal grosso por dia, distribuídos na ração. Esta afirmação serve para cavalos que comem cereais (aveia, cevada). Se comer ração concentrada convém diminuir a quantidade de sal, subtraindo a quantidade já presente na dita ração. Os cavalos que comem cereais têm mais carência de sal.

Mesmo administrando sal na ração é aconselhável providenciar uma pedra de sal na boxe a não ser que o seu cavalo tenha o vício de comer o bloco de sal à dentada, ingerindo sal em excesso o que provocará problemas.

Para o cavalo estabulado o bloco de sal colocado na parede da boxe, num local onde o cavalo não possa vir a magoar-se nele (colocá-lo por exemplo ao lado da manjedoura) resolve o problema durante muito tempo. No entanto devemos ter em conta que os blocos de sal foram feitos para o gado bovino que, tendo uma língua grossa e rugosa o conseguem lamber com mais eficiência do que o cavalo. Se o seu cavalo não parecer desgastar a pedra ou se o vir a tentar mordê-la comece a dar-lhe o sal grosso (utilizado na culinária) nas doses anteriormente mencionadas.

Os blocos de sal que contêm outros minerais para além do cloreto de sódio não são muito aconselháveis, uma vez que este parece ser o único mineral que o cavalo sabe dosear. Nunca lhe dê blocos com melaço ou sabor a maçã ; esses paladares podem fazê-lo ingerir sal a mais – a finalidade é que ele ingira só o sal necessário.

O cavalo que transpira abundantemente perde grandes quantidades de cloreto de sódio e ainda de cálcio, magnésio e potássio. Nesse caso não aumente a dose de sal que lhe dá diariamente. Em vez disso, dê-lhe uma mistura de electrólitos bem equilibrada meia hora antes do esforço e de novo após o trabalho. No entanto deve dar-se atenção aos regulamentos das provas desportivas pois algumas delas não permitem a sua utilização.

Os electrólitos só devem ser administrados nas doses adequadas e só quando o cavalo efetua trabalho intenso

Fonte: Equisport

  • Compartilhe
  • <