Por Fora
das Pistas

Notícias

Jóqueis e proprietários dedicam-se ao máximo para alcançarem a vitória nas corridas de cavalos. (Foto: Antônio Lima/A crítica)

8 de junho de 2017

Primeira Grande Corrida de Cavalos do Amazonas acontece no fim de semana

Está marcada para os dias 10 e 11 de junho, a partir das 14h, a 1ª Grande Corrida de Cavalos do Amazonas, que será realizada no Amazonas Dragway, localizado no quilômetro seis da Estrada Manuel Urbano.

No dia 9, haverá o leilão de apostas nos cavalos e, durante os dias 10 e 11, haverá também arraial e bandas, animando ainda mais os espectadores, a partir das 18h. O ingresso para a Corrida de cavalos será 10 reais e o estacionamento no local também será 10 reais.

Um dos organizadores do evento, Elielson Duvale, explica que a competição tem o objetivo de popularizar as corridas de cavalo na capital do Estado. “Já realizávamos corridas de cavalos em outras cidades dos interiores do Estado, como Careiro, Altazes, Itacoatiara, e as corridas criaram força nesses lugares. Agora, queremos trazer as corridas para Manaus”, explica ele.

Elielson também adianta que a competição fará parte de um circuito. A primeira corrida será esta, realizada no Amazonas, a segunda será em Roraima, no mês de setembro, e a terceira será em dezembro, na Terra santa, Pará.

O organizador espera que o evento seja um sucesso. “A população dos interiores do Amazonas vem em peso para assistir à corrida, principalmente o pessoal de Altazes, Careiro e de Iranduba mesmo. O pessoal das arrancadas de carros também está animado para vir assistir à corrida de cavalos”, disse Elielson.

Segundo ele, os melhores corredores de Amazonas, Pará e Roraima irão competir no circuito, que terá direito a leilão de apostas no dia anterior à corrida (a partir das 20h), e a premiações valiosas, como um carro 0 km, três motos, além de premiações em dinheiro. “Será obrigatório as equipes apostarem, e acredito que as pessoas vão gostar de participar das apostas. Às vezes ganha um azarão, e todos erram as apostas”, comenta Elielson.

Há três categorias na competição: a 1ª Classe (cavalos puros de origem), de 2ª Classe (cavalos puros, mas nascidos na região), e 3ª Classe (filhos de garanhão com égua mestiça, ou égua pura com cavalo mestiço). Na corrida, todos os cavalos serão da raça Quarto de milha, que tem como características serem compactos, dóceis, muito musculosos e capazes de percorrerem pequenas distâncias com mais rapidez que quaisquer outras raças.

Êxtase e paixão dos jóqueis

Aílton dos Santos veio de Pernambuco, e vive em Manaus há três anos. Ele é jóquei desde os 10 anos. “Esse é nosso esporte e profissão. E o dia da corrida é empolgante para nós, as pessoas gostam também, o povo aposta nos cavalos, então, a hora da corrida é de muita adrenalina, ficamos nervosos, queremos ganhar, mas só um pode ser campeão e tomara que seja meu cavalo, confio nele”, ressalta Aílton, que competirá pela equipe Duvale, que com os cavalos Brisp e Midnight, da 1ª classe.

Aílton trabalha com os cavalos há sete meses, e os equinos, como atletas, treinam diariamente e tomam diversos suplementos. “Galopamos com o cavalo, trabalhamos neles todo dia, e eles ficam prontos para a corrida”, explicou Aílton.

Cidarta Gautama, de Roraima, competirá com o cavalo Lesh Moscow, do Rancho Oeste. Jóquei há 10 anos, ele não tem palavras para explicar a sensação de correr a cavalo. “É um momento inexplicável para nós, é bom demais sentir a adrenalina em cima do animal. E temos chances nessa corrida; vamos buscar a vitória”, enfatiza.

Aldo Silva é proprietário cavalo Lesh Moscow. “A corrida hoje é nossa maior paixão. Acredito que o trabalho em equipe faz a diferença na hora da prova, e estamos confiantes”, disse.

Febre do interior

Esta será a primeira vez que uma corrida de cavalos acontecerá na região metropolitana de Manaus. “Manaus é o berço do cavalo na vaquejada e no tambor, mas quem tem raiz de corrida de cavalo é Roraima, e as corridas vêm ganhando cada vez mais força nos interiores, como Careiro, Altazes, Itacoatiara, porque o cavalo faz parte do dia-a-dia dos moradores do interior. Os agropecuaristas trabalham com os cavalos, não usam carros”, explica Elielson Duvale, um dos organizadores do evento.

Fonte: A Critica

  • Compartilhe
  • <