Por Fora
das Pistas

Notícias

29 de agosto de 2015

O peso econômico do cavalo

Durante sua palestra, Roberto Arruda apresentou o complexo do agronegócio do cavalo, destacando que é necessário acabar com a ideia de que o agronegócio é feito apenas de pecuária e agricultura.

Na lida com o gado, o cavalo ainda é insubstituível

Discorrendo sobre a importância econômica da equideocultura, mesmo em tempos de desafios sanitários, necessidade urgente de organização da cadeia produtiva e crise econômica generalizada, o professor da Universidade de São Paulo (USP) Roberto Arruda esteve com produtores, estudantes e representantes do setor ontem (19). Ele foi responsável por ministrar a palestra de abertura do 1º Seminário de Equideocultura realizado pela Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg). Nesta empreitada, a entidade contou com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Goiás (Senar Goiás) e do Instituto Inovar. Arruda fez questão de destacar a importância de o produtor entender, de fato, o funcionamento da cadeia produtiva da atividade.

Dando as boas-vindas aos presentes, o presidente da Faeg, José Mário Schreiner, falou sobre a representatividade econômica, cultural e social da equideocultura e do tratamento especial que a entidade vem dando à atividade. “A criação da Comissão de Equideocultura foi um passo grande em direção à organização do setor, pois nela acompanham-se, de perto, os debates da atividade, além de conscientizar os produtores da necessidade de mobilizar a classe”. Schreiner, que também é vice-presidente diretor da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e precisou participar do evento via videoconferência, destacou os cursos e treinamentos na área da equideocultura oferecidos pelo Senar Goiás, além do Programa Equoterapia, que integra a grade da entidade desde 2011.

Agronegócio do cavalo

Durante sua palestra, Roberto Arruda apresentou o complexo do agronegócio do cavalo, destacando que é necessário acabar com a ideia de que o agronegócio é feito apenas de pecuária e agricultura. “Também é preciso entender que a equideocultura pode ser dividida em duas partes: a atividade voltada para o trabalho do campo, e outra voltada para o lado empresarial. A criação de cavalos não foca apenas o trabalho rural. O animal também é utilizado em escolas, esportes, eventos e atividades turísticas”.

Ele também alerta para o valor de um produtor que conheça as etapas de criação do cavalo, antes da porteira, dentro da propriedade e fora da porteira, e que valorize os cuidados com a sanidade animal. “Os casos de mormo registrados em Goiás – foram nove nos últimos nove meses – nos mostram como é importante cuidar do animal. Muitas vezes, o produtor investe pesado em máquinas e se esquece de gastar com o cavalo”.

Cenário econômico

Falando do cenário econômico da cadeia, Arruda diz que enxerga a atualidade com bons olhos. “Como um todo, estamos passando por uma crise, saudável para os equídeos, que vai formar e profissionalizar as pessoas envolvidas no setor. Elas serão obrigadas a se qualificarem. Por outro lado, novas oportunidades estão surgindo mesmo em tempos de crise. Cada vez mais executivos estressados buscam viver próximos dos animais. Esse ninho de mercado ganha com a o período difícil”.

O Brasil conta hoje com 7.487.657 cabeças, entre equinos, muares e asininos – o maior rebanho de equinos na América Latina e o terceiro mundial. Além disso, é o 8º maior exportador da carne equina no mundo, que deixa o país rumo, principalmente, à Rússia, Bélgica, Itália, Japão e Vietnã, onde o alimento é uma iguaria. Goiás possui o 4º maior rebanho do Brasil, com 446.219 cabeças, entre equinos, muares e asininos.

Entre números e expectativas positivas, o produtor Leandro Garcia caracteriza o setor como “carente de informação”. Vindo de Anápolis, onde possui 14 animais destinados à lida e participação em competições esportivas, ele fez questão de elogiar a iniciativa da Faeg e contar sobre o medo de transportar seus cavalos até municípios de outros Estados.

“Em um único dia a gente pode ter acesso a vários tipos de conhecimento, trocar experiências e receber orientações sobre situações pontuais que nos preocupam demais. Exemplo é a participação dos nossos animais em competições nas quais eles terão contato com outros milhares de cavalos que podem ter alguma doença”. Leandro enxerga como urgente a organização do setor e como necessária a mudança na legislação sanitária no que diz respeito aos cuidados com os equídeos.

Conhecendo mais a atividade

Segundo a assessora técnica da Faeg para a área de pecuária, Christiane Rossi, a ideia do seminário é mostrar ao produtor a importância da atividade no cenário nacional e apresentar algumas facetas muitas vezes desconhecida por quem cria o animal. Ela conta ainda que a entidade vem sentindo necessidade de organizar um evento como o dessa quarta-feira (19) desde que a Comissão de Equideocultura foi criada. Sobre a Comissão, Christiane explica que o grupo busca as demandas do setor e trabalha na tentativa de apresentar soluções. “Percebemos que precisávamos, cada vez mais, levar informação ao produtor rural e a todas as entidades envolvidas na cadeia produtiva. Até então a importância econômica da atividade não era tão conhecida”.

Roberto Arruda, que também coordena a Equonomia – grupo da USP que estuda a economia da equideocultura – concorda com a assessora técnica. Ele entende que a organização da cadeia é fundamental, mas alega que para isso “é necessário informação e conhecimento”. Aliada à necessidade de um produtor mais informado, o professor destacou a mudança do setor, que vem – mesmo que a passos pequenos – sendo alertado pela nova fase da indústria.

“A própria embalagem dos produtos para equinos eram bem simples e agora já são mais sofisticadas: feitas para um novo público”. Nesse contexto, Roberto alerta para a união e atenção redobrada dos produtores. “Para sermos ouvidos pelo governo precisamos ter uma organização forte. Só assim vamos conseguir mostrar ao mundo a importância do segmento e a necessidade de políticas públicas voltadas para o setor”.

Veja a matéria completa AQUI.

  • Compartilhe
  • <