Por Fora
das Pistas

Notícias

Foto: GCT

26 de Abril de 2018

Novos conflitos marcam a relação da ABC X FEI X GCT

O Global Champions Tour permite concorrência esportiva desigual com seu sistema de convite aprovado pela FEI? A Autoridade Belga da Concorrência afirma isto em qualquer caso, dados os últimos acontecimentos deste conflito de longa data.

Conforme previsto pela Autoridade Belga de Concorrência (ABC), a Federação Equestre Internacional (FEI) e a Global Champions Tour (GCT) terão que pagar as penalidades diárias impostas pela ABC por não cumprimento das regras, a respeito da questão de convites dos cavaleiros.

Mas de acordo com a FEI, a CBA não tem autoridade sobre sua organização; Por conseguinte, considera que não tem de pagar essas penalizações.

A história de problemas entre a FEI, o GCT / Global Champions League e o CBA é relativamente complexa. Em resumo, a TAG lançou a primeira edição do GCL em 2015, quando discordou da FEI, que inicialmente se opôs à série, em vários níveis.
A temporada de 2016 continuou com a suspensão das autoridades participantes pela FEI, à medida que o conflito passava pelo processo de CBA.
Durante este período, a FEI respeitou a autoridade do CBA em relação às suas decisões em relação ao GCL. Finalmente, no início de 2017, a FEI e o GCT / GCL chegaram a um memorando de entendimento através do qual passaram de inimigos jurados a associados próximos, a FEI autorizando uma alteração de política à regra dos convites de 60%. 20% / 20%, aplicando-se apenas ao GCT / GCL.

Essa alteração de política limita a porcentagem de convites a serem enviados aos cavaleiros com base apenas em sua classificação mundial de 60% a 30%.
A temporada de 2017 foi de acordo com este sistema, com o compromisso tácito de que os atletass do GCL, alguns dos quais pagaram essencialmente pelo seu lugar na série através da propriedade da equipe, seriam bem-vindos.

Alguns grandes nomes do esporte se ofenderam com essa prática e apresentaram queixas. Em resposta, a ACB adotou medidas provisórias para o GTA / GAL em dezembro de 2017, suspendendo o Memorando de Entendimento e exigindo a reintegração da regra dos 60% durante a condução de sua investigação possível infracção às regras da concorrência.

Essa medida intermediária também estipulava que a participação em uma equipe de GCL não poderia ser uma condição para competir nas competições do GCT e que nenhum ponto poderia ser concedido ao ranking de competições do GCT enquanto o GCT não competisse.

Mas a FEI rejeitou esta medida, argumentando que a ACB não está em condições de impor novas regras sobre uma série aprovada pela FEI (a posição da CBA é que ela tem autoridade desde o salto é um esporte internacional e o GCT é baseado na Bélgica).

“A FEI não reconhece a competência de Autoridade Belga de Concorrência neste caso específico, já que somos uma organização com sede na Suíça, regida pela lei suíça e não pela lei belga”, afirma a declaração oficial da FEI, lida por um porta-voz da FEI.

Com tres de suas 16 etapas já concluídas, a FEI permitiu que o GCT / GCL continuasse como planejado, com competições e pontos listado em seu site.

Por outras palavras, aos olhos da ACB, as duas organizações violam as medidas provisórias. Por isso, impôs penalidades a partir de 16 de abril de 2018, no valor de 466 € por dia para o GCT / GCL, e 182 € por dia para a FEI.

Parece, no entanto, que a FEI não pretende honrar essas penalidades; os pontos de classificação do GCL / GCT são contados no sistema.
O palco está montado para outro capítulo neste conflito de longa data, que muitos acreditam estar no centro das desigualdades em termos de justiça no evento de salto.

Com infos Studforlife

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.