Por Fora
das Pistas

Notícias

Foto: SRP/Divulgação - Os julgamentos da raça começam a partir das 10 horas desta sexta-feira e vão até o meio-dia de domingo

6 de abril de 2018

Mini-horses desfilam em Londrina neste fim de semana

Eles chamam a atenção por onde passam. E, neste fim de semana, vão “desfilar” na pista central do Parque de Exposições Governador Ney Braga. Os mini-horses vão participar, durante a ExpoLondrina 2018, da primeira etapa do 16º Campeonato Nacional da raça. Os julgamentos começam a partir das 10 horas desta sexta-feira (6) e vão até o meio-dia de domingo.

O criador e membro do conselho administrativo da Associação Brasileira dos Criadores de Mini-Horse, José Bastos Cruz Sobrinho, diz que, neste ano, cerca de 60 animais de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul vieram a Londrina para os julgamentos. Os mini-horses são a menor raça de pônei criada no Brasil. Os machos medem, no máximo, 93 centímetros, e as fêmeas, 98 centímetros.

Segundo Sobrinho, esses equinos são rústicos e criados, basicamente, em regime de campo. Raramente ficam doentes e vivem, em média, 24 anos. As fêmeas têm uma gestação de 365 dias e dão luz a um único potro por gestação. Ele conta que os mini-horses são destinados a três principais mercados, o de criadores, brinquedo, e pet.

O mercado de criadores é formado por animais como os que estão expostos no parque e que participam de campeonatos. “O próprio mercado absorve”, afirma. Já o de brinquedo é composto por machos não selecionados para a reprodução. Eles são usados para puxar carretinhas. E o mais recente, o mercado pet, reúne os cavalos com estatura inferior a 80 centímetros, que podem ser criados em casa a base de ração e feno. “O mini-horse é um cavalo de estimação”, destaca.

Os preços dos animais variam de acordo com a finalidade, pelagem e tamanho. Dentro do mercado de brinquedos, eles podem ser adquiridos por, no mínimo, R$ 2 mil, no de criadores, a partir de R$ 5 mil, e de pet, por R$ 7 mil ou mais.

O criador de mini-horses Mario Pereira trouxe 12 animais de Itapira (SP) para Londrina. Esta é a primeira vez que o criador participa da ExpoLondrina. Ele conta que começou a criar os cavalos há cerca de quatro anos e diz que os mini-horses são dóceis e, na criação, são estudados a morfologia, beleza dos animais, genética, não necessariamente a monta. Com dois machos e 10 fêmeas no parque, a expectativa pelos julgamentos é alta. “É a maior exposição que já participei”, confessa.

O diretor de Atividades Equestres da Sociedade Rural do Paraná (SRP), José Henrique Cavicchioli, explica que os animais são divididos entre machos e fêmeas e depois categorizados por idade durante a competição. Os campões de cada categoria disputam entre si no domingo para que sejam escolhidos o grande campeão macho e a grande campeã fêmea. Entre os itens avaliados pelo jurado estão as características da raça, qualidade do animal, posição correta dos membros.

Cavicchioli aponta que os mini-horses são apenas uma das raças de equinos que estarão presentes no parque durante a ExpoLondrina 2018. Cerca de 1 mil animais – mangalarga, crioulo, campolina, bretão – passarão pela feira para participar de exposições, provas, julgamentos e leilões nos próximos dias. “As atividades equestres são divididas em dois turnos. Os mini-horses ficam até domingo”, informa.

Fonte: Amanda de Santa/Especial para a FOLHA

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.