Por Fora
das Pistas

Notícias

Rogerio Clementino; foto: reprodução internet

23 de abril de 2015

Inspiração de patrão, Rogerio Clementino sonha com Rio 2016

A inspiração de João Victor Oliva, primeiro brasileiro com índice para disputar o adestramento nos Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015, é Rogério Clementino. Funcionário do haras do pai do cavaleiro, ele foi o primeiro negro em uma equipe nacional de hipismo e sonha em participar das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

Roger, como é conhecido pelos amigos, trabalhava limpando as baias dos cavalos no haras de José Victor Oliva, pai de João Victor, antes de mostrar seu talento montando. Foi medalha de bronze por equipes no Pan de 2007, no Rio de Janeiro, e integrou o time brasileiro nas Olimpíadas de Pequim, no ano seguinte.

Na China, no entanto, seu cavalo Nilo foi vetado nos exames veterinários às vésperas do início da disputa, o que o impediu de competir. O fato também tirou o Brasil da prova por equipes, já que o time nacional não contava com cavaleiros reservas. Por isso, a vaga em 2016 é tratada ainda com mais importância por Clementino.

“O foco está 100% nas Olimpíadas. A gente está nesse projeto e trabalhando para conseguir o objetivo, acreditando muito que possa estar dentro da equipe”, explicou. “Por ter vivido a experiência em 2008, não tem como não trabalhar para querer mais uma”, completou.

Atualmente treinador e principal cavaleiro no Brasil do time da Coudelaria Ilha Verde, de propriedade de José Victor Oliva, Rogério Clementino também usa como motivação a experiência que teve no Pan de 2007, no Rio de Janeiro. Ele se encantou com o apoio da torcida no evento, disputado na mesma cidade que receberá as próximas Olimpíadas.

“A recepção no Rio de Janeiro foi tudo de bom por causa desse lance de vila olímpica cheia de atletas, da interação com o povo brasileiro. É inesquecível. Não me vejo fora da equipe. A gente tem uma oportunidade única de representar o País dentro de casa. É um combustível para levantar todo dia de manhã e recomeçar”, afirmou.

Foi Rogério Clementino quem introduziu João Victor Oliva no adestramento, prova em que o jovem, filho de seu patrão e Hortência, tem conquistado notoriedade. O cavaleiro, atualmente morando na Alemanha, já conseguiu vaga no Pan de Toronto em 2015 e está cotado para disputar também as Olimpíadas de 2016.

“Ele é uma inspiração. Começou limpando as cocheiras dos cavalos, por baixo e aproveitou as oportunidades. Às vezes cavaleiros bons e cavalos bons não se entendem. Ele começou de baixo, com um cavalo que também não era grande coisa, mas teve uma química ali entre os dois e eles chegaram às Olimpíadas”, analisou o filho de Hortência.

Clementino tem como objetivo integrar a equipe nacional no Rio ao lado de João Victor Oliva, ex-aluno e agora amigo. Outro sonho do cavaleiro é popularizar o hipismo para que mais pessoas de baixa renda possam praticar o esporte, associado à elite econômica do País por causa do alto custo.

“Eu vim de baixo e tenho essa oportunidade que agarrei com muita força. Agora estou sempre querendo dar uma chance para as outras pessoas que estão à minha volta. Tudo é possível, basta a gente querer”, garantiu.

Fonte: Gazeta Press

  • Compartilhe
  • <