Por Fora
das Pistas

Notícias

Foto Silva Junior/

20 de julho de 2017

Esporte sim, mas com bem-estar animal

Depois de uma longa batalha, está começando a se tornar realidade uma reivindicação dos criadores e praticantes de esportes equestres: as manifestações culturais já podem ser reconhecidas na Constituição Federal. Em maio, os deputados aprovaram a PEC 304, uma emenda que trata do tema. Por ela, práticas como vaquejadas, tambor e laço, por exemplo, não mais seriam consideradas cruéis e, sim, patrimônio cultural imaterial.

Mas com um detalhe de peso. Ela precisa ser regulamentada por leis que assegurem o bem-estar animal. O segmento de equinos tem peso no agronegócio. Em 2016, de acordo com a câmara setorial do Mapa, esse segmento movimentou R$ 5,84 bilhões e ocupou 125,7 mil pessoas como mão de obra direta.

O feito não é para qualquer um. Em maio, o criador de equinos crioulos Daniel Anzanello, 86 anos, comemorou quatro décadas de seleção. O plantel de Anzanello fica em São Lourenço do Sul (RS), na cabanha Santa Edwiges. Somente no Freio de Ouro, a mais importante competição da raça, sua marca já venceu nove vezes. Para comemorar a data, no dia 19 de maio seus herdeiros promoveram um leilão em Esteio (RS), que bateu todos os recordes financeiros na história dos leilões de crioulos. Os 37 lotes foram vendidos por R$ 8,9 milhões.

No mês passado, a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador realizou um pregão, entre os associados, para a venda dos pavilhões que serão ocupados durante a 36ª Exposição Nacional da Raça.

O negócio rendeu R$ 2,3 milhões para a entidade, que é a organizadora do evento marcado para acontecer no parque da Gameleira, em Belo Horizonte (MG), entre os dias 18 e 29 de julho. Na programação estão provas equestres, leilões, avaliação de pista e muita troca
de informação entre criadores.

Em julho, a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quar­to de Milha (ABQM) comemora 40 anos do Campeo­na­to Nacional, o mais importante evento esportivo da raça. Para o criador Fábio Pinto da Costa, presidente da ABQM, é o grande momento em que o cavalo prova seu valor no desempenho em 19 modalidades como o laço, as rédeas, o team peaning e três tambores, por exemplo. Uma evolução que veio com tempo.

Nesses 40 anos, quais as principais mudanças?
De lá para cá, foram muitas as mudanças. Em 2003, por exemplo, o evento passou a ser sediado em Avaré (SP).

E na raça, o que mudou?
A evolução da competição retratou o crescimento da ABQM que saiu de nove mil animais registrados para 527 mil, de 106 mil proprietários no País.

Qual é a grande novidade?
Estimamos mais de cinco mil inscrições de atletas que, neste ano, disputarão um total de R$ 2 milhões em premiações. Além disso, o evento contará com dez leilões da raça.

Como a ABQM espera terminar o ano?
Fechamos 2016 com uma receita de quase R$ 240 milhões apurados apenas com a venda de exemplares da raça, nos principais leilões do quarto de milha do País. Tudo indica que 2017 fechará com um cenário favorável, alcançando cifras expressivas.

Fonte: Dinheiro Rural — Fabio Moitinho e Vera Ondei

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.