Por Fora
das Pistas

Notícias

25 de agosto de 2017

Embrapa conserva material genético de cavalos pantaneiros

No campo experimental da fazenda Nhumirim, mantido pela Embrapa no Pantanal da Nhecolândia (MS), três pesquisadores realizaram a coleta de material genético de garanhões de cavalos pantaneiros, uma das mais importantes raças localmente adaptadas do Brasil.

O objetivo é conservar, no Banco Genético da instituição, a linhagem de diferentes criações para assegurar a manutenção da diversidade da raça, conhecida pela rusticidade de seus animais. Alguns exemplos dessas características são a tolerância a trabalhos longos e intensos no campo sob altas temperaturas e a adaptação dos cascos para o pastejo em áreas alagadas.

De acordo com comunicado da Embrapa, a iniciativa levou três dias e foi realizada pelos pesquisadores Sandra Santos, da Embrapa Pantanal, Alexandre Floriani, da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, e Breno Sampaio, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Floriani coordena o projeto de conservação ec situ – ou seja, por meio de sêmen e embriões – de recursos genéticos animais. No projeto, Santos foi a responsável pela coleta. “Nós fizemos as coletas dos reprodutores do núcleo de conservação do cavalo pantaneiro da Embrapa Pantanal e congelamos”, afirma a pesquisadora.

Preservação do material genético
De acordo com Floriani, foram criopreservadas cerca de 200 palhetas de sêmen de três animais. O número de doses inseminantes obtidas a partir desse material irá variar de acordo com a técnica a ser utilizada no processo, podendo inseminar de 25 até 100 fêmeas.

“Os garanhões têm o sêmen coletado com auxílio de uma fêmea em estro e uma vagina artificial. Após a coleta, o sêmen é analisado e, caso seja aprovado, é diluído em um meio específico, resfriado a 5ºC e congelado em vapor de nitrogênio líquido. Concluído esse processo, as palhetas são mergulhadas em nitrogênio líquido, onde ficam armazenadas até sua utilização”.

O pesquisador descreve, ainda, a interação com a equipe da fazenda durante o trabalho de coleta e criopreservação do sêmen.

“Realizamos um treinamento em coleta de sêmen equino com os funcionários do campo experimental. Essa capacitação permitirá que os animais sejam treinados e condicionados ao procedimento de coleta previamente aos trabalhos de criopreservação. Isso fará com que o sêmen esteja com melhor qualidade para o congelamento e aumentará o rendimento de doses congeladas, uma vez que os garanhões estarão adaptados”.

Por que conservar a genética?

A importância da conservação desse material foi destacada pelo professor Sampaio.

“O cavalo pantaneiro é um animal adaptado a um ambiente inóspito e é essencial para a economia do Mato Grosso do Sul, auxiliando na lida do gado na região do Pantanal. Dessa forma, é muito importante mantermos um banco genético visando a preservação dessas características desenvolvidas pela seleção natural e que permitem a sobrevivência desses equinos nessa região”. O Banco Genético da Embrapa possui, hoje, cerca de 85 mil amostras de sêmen de diferentes espécies, 450 embriões e 12 mil amostras de DNA e tecidos criopreservados a uma temperatura de -196ºC em sua seção de Recursos Genéticos Animais.

A pesquisadora Santos afirma que a conservação é fundamental para estudos futuros envolvendo a seleção de características genéticas desejáveis nos animais da raça, por exemplo.

“Temos que começar a trabalhar com inseminação artificial para a manutenção desse núcleo. Às vezes, há dificuldade em trocar reprodutores para manter a diversidade. Com isso, podemos manter sêmen de diversos criatórios, com materiais genéticos diferentes”.

Os próximos passos do trabalho envolvem a coleta de material genético de 11 linhagens da raça e a discussão com produtores rurais sobre o estabelecimento de uma central com reprodutores representativos de diferentes grupos.

Fonte; SF Agro

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.