Por Fora
das Pistas

Notícias

foto: reprodução

6 de janeiro de 2020

Doença do gambá afeta o funcionamento neurológico dos equinos

O Brasil Rural entrevistou o médico veterinário Renato Fonseca Ferreira II. Ele falou sobre doenças neurológicas dos equinos, em especial a bambeira do gambá. “Nós trabalhamos com mais ou menos quatro tipos de doenças neurológicas, sendo que a bambeira do gambá representa a maior parte dos nosso problemas hoje aqui no Distrito Federal”, disse.

A bambeira do gambá é transmitida pela urina do gambá, conhecido aqui no cerrado como saruê. Segundo Renato, o saruê faz parte do ciclo natural de transmissão do protozoário Sarcocystis Neurona e o equino é infectado acidentalmente. Quando ele se infecta, a doença fica nele e não se propaga para outros animais.

O médico veterinário explicou que o primeiro sinal da doença é a própria bambeira: “é como se ele estivesse bêbado, ele não firma bem o passo”. Outros índicios são quando o cavalo tem dificuldade de se levantar, ou quando tem dificuldade de deglutição.

A doença compromete a coordenação motora. O protozoário se aloja na medula espinhal, onde passam os nervos que controlam os movimentos, deixando os músculos sem comando. Mas ela tem cura.

“Se ela é diagnosticada precocemente, existem antiprotozoários que podem ser administrados no cavalo. O problema é quando a doença já está instalada há bastante tempo: o animal é curado mas segue portador das sequelas”, afirmou.

Fonte: Brasil Rural

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.