Por Fora
das Pistas

Notícias

Stephan Barcha em ação com o cavalo LandPeter (Foto: Lotta Gyllensten / DVG)

4 de agosto de 2016

Com Nelson Pessoa como mestre, caçula dos saltos quer fazer “história”

Nada mais justo que o caçula receba dicas preciosas dos mais experientes e sábios. Mais jovem da seleção de hipismo que disputará a prova de saltos, o cavaleiro Stephan Barcha, de 26 anos, serve de exemplo para essa máxima. Ganha ensinamentos de Nelson Pessoa, ícone no hipismo mundial e pai do medalhista Rodrigo Pessoa (reserva na equipe). Com base nos treinamentos do mestre e também no entrosamento com LandPeter, cavalo que volta a colocar animais brasileiros em Olimpíadas após 16 anos, o atleta se tornou uma das apostas da delegação para fazer “história” em casa.

Stephan estava com esposa e filho na Bélgica, onde reside há três anos, quando teve a certeza de que estaria na Olimpíada. Para ele, a comemoração foi dobrada: além de defender as cores brasileiras, teria a oportunidade de voltar a saltar no Rio de Janeiro, cidade onde nasceu e se desenvolveu no esporte em treinamentos na Sociedade Hípica Brasileira.

– Foi uma sensação muito boa onde mostra que o trabalho de toda uma vida está sendo recompensado. Certeza que a arquibancada estará cheia e nos apoiando na busca por nossos objetivos. É um sonho voltar para a minha cidade em um evento tão importante – valoriza, em contato com o GloboEsporte.com. – Possuímos uma equipe forte, com ótimos cavalos. Todos nós acreditamos que podemos fazer história em casa.

Em 2013, recebeu o convide de Nelson Pessoa para treinar na Europa. Aceitou, é claro, e passou a sorver de ensinamentos diários e de inspiração direto da fonte. Foi o salto inicial para se tornar um atleta com nível olímpico.

– Um grande privilégio, o Nelson Pessoa é um ser humano fantástico. A paixão que nutre pelos cavalos e por sua profissão é uma inspiração diária para todos que o cercam. Me sinto honrado de ter a oportunidade de conviver e poder aprender com ele todos os dias. É um grande amigo que merece todos os louros por muitas vitórias que já aconteceram e muitas que ainda virão, se Deus quiser – destaca.

Só que o hipismo tem uma particularidade toda especial. Afinal, o conjunto é formado por atleta e cavalo, cujas importâncias são divididas de forma igualitárias nas provas. E para o jovem promissor evoluir a ponto de se tornar de elite, faltava um animal de ponta e que também se entrosasse com ele rapidamente. Qual cavalo seria?

O início de uma parceria (e porque não uma nova era?) aconteceria em abril de 2014. Stephen herdou do cavaleiro Sérgio Marins o privilégio de montar LandPeter. O acordo foi costurado com a proprietária Chiara Besenzoni para que, juntos, unissem forças para disputarem a Olimpíada. Plano traçado com destreza e que viria a ser bem sucedido.

Assim, após 16 anos, Stephan e LandPeter voltam a formar um conjunto 100% brasileiro. Em Sidney, Doda Miranda e André Johannpeter ajudaram o time brasileiro a conquistarem o bronze com montarias nacionais. Desde então, somente animais “importados” foram utilizados pelos atletas.
Fico muito satisfeito com a evolução da criação nacional. E depois de 16 anos voltarmos a ter um cavalo nascido e criado no Brasil saltando nesse nível é motivo de muito orgulho para todos nós. O LandPeter é um cavalo fantástic
Stephan Barcha

– Fico muito satisfeito com a evolução da criação nacional. E depois de 16 anos voltarmos a ter um cavalo nascido e criado no Brasil saltando nesse nível é motivo de muito orgulho para todos nós. O LandPeter é um cavalo fantástico e acredito que a criação nacional será muito bem representada nesses Jogos – vibra.

E quais seriam as características de LandPeter, cavalo mineiro de 11 anos? O próprio Stephan Barcha responde, cheio de orgulho do parceiro de provas:

– Lealdade além de uma capacidade incrível para saltar, aliando força, técnica e flexibilidade. Ele sempre está a favor do cavaleiro dando sempre o melhor das condições para abordar os saltos. Foi utilizado um dos maiores garanhões e uma das melhores matrizes da criação nacional. Com certeza esse choque de sangue foi importante para o momento que estamos vivendo.

A parceria rendeu frutos imediatos. Ambos se tornaram campeões brasileiros em 2014 e, neste ano, impressionaram na Copa das Nações, disputada na França. Um duplo zero na competição provava o excelente momento da dupla e os credenciavam para a Rio.

É com os ensinamentos de Nelson Pessoa, unido com o sincronismo com LandPeter, somado a uma equipe equilibrada, o que faz com que Stephan sonhe alto nos Jogos Olímpicos. Afinal, o conjunto 100% nacional certamente renderá muitos frutos pela frente

Fonte: Globo Esporte

  • Compartilhe
  • <