Por Fora
das Pistas

Notícias

27 de maio de 2018

Cavalos encontrados em Pompeia possivelmente estavam sendo preparados para escapar da erupção

Arqueólogos descobriram três cavalos que morreram no estábulo de uma vila suburbana de Pompeia durante a erupção vulcânica do Vesúvio, que famosamente enterrou a antiga cidade romana.

Dos três animais recentemente encontrados presos nas cinzas, pelo menos dois estavam encilhados, possivelmente sendo preparados para uma evacuação frenética quando foram atingidos pelos fluxos letais e piroclásticos do vulcão, no verão de 79 dC.

Moldes

O impressionante e completo gesso de um dos cavalos da vila é o primeiro do tipo em Pompeia.

Quando o vulcão entrou em erupção, muitos dos moradores e animais da cidade morreram no local após serem atingidos por ondas de gás venenoso superaquecido e cinzas.

Seus cadáveres decadentes deixaram vazios assombrosos na camada de cinzas endurecida.

No final do século 19, arqueólogos desenvolveram um método para injetar gesso nesses vazios, para capturar mais detalhes sobre os mortos.

Desde então, a técnica tem sido usada principalmente em humanos, e em um cão que faleceu acorrentado. Essa foi a primeira tentativa de criar o molde de um grande mamífero.

 

Fuga

A equipe, liderada pela zooarqueóloga Chiara Corbino, também fez moldes de duas pernas de outro cavalo descoberto nas proximidades, mas o resto do vazio deixado por esse animal foi destruído por ladrões de túmulos, conhecidos localmente como “tombaroli”.

Os ladrões escavaram as paredes da antiga vila para roubar artefatos que pudessem ser vendidos no mercado negro. Os restos mortais e esqueléticos do terceiro cavalo também foram quase completamente destruídos por tombaroli.

Evidência de sela e rédea decorada com ornamentos de metal encontrada perto do cavalo

A vila, localizada na área de Civita Giuliana, fora das muralhas da antiga Pompeia, foi originalmente descoberta no início do século XX, depois parcialmente escavada na década de 1950 e posteriormente selada. Investigadores localizaram túneis criados por tombaroli no verão passado e alertaram os arqueólogos, que então escavaram a área de estábulo anteriormente desconhecida.

De acordo com Massimo Osanna, diretor-geral do Parque Arqueológico de Pompéia, a evidência de fragmentos de sela e rédea ao redor de dois dos cavalos sugere que eles estavam sendo preparados para serem cavalgados, provavelmente por pessoas tentando fugir da erupção. Não foi possível determinar esses detalhes nos restos do terceiro cavalo, muito danificados.
Ladrões de artefatos antigos

As autoridades italianas confirmaram à National Geographic que a descoberta do estábulo é o resultado de uma investigação criminal significativa conhecida como Operazione Artemide (Operação Artemis), liderada pela polícia italiana, os Carabinieri.

10 curiosidades sobre a tragédia de Pompeia

A investigação decolou em 2014, depois que ladrões roubaram uma representação de Artemis, a deusa grega da caça, das paredes de uma antiga casa de Pompeia, atualmente fechada ao público.

No início de 2015, a operação questionou mais de 140 suspeitos, entre tombaroli, traficantes de arte ilegais e até mesmo alguns membros da máfia, em intervenções simultâneas em 22 províncias italianas.

Equipes policiais recuperaram cerca de 2.000 artefatos antigos, incluindo vasos, moedas e fragmentos arquitetônicos escavados ilegalmente. De acordo com Osanna, a pesquisa na vila está concluída por enquanto, mas os arqueólogos não descartam escavações contínuas no futuro, que podem revelar momentos ainda mais trágicos congelados no tempo. [NatGeo]

Fonte: hypescience.

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.