Por Fora
das Pistas

Notícias

22 de janeiro de 2017

Cavalo Árabe fecha 2016 com valorização e boa demanda

O Cavalo Árabe encerrou 2016 com balanço positivo. Segundo levantamento da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Árabe (ABCCA), os preços médios dos animais permaneceram estáveis, no patamar de R$ 30 mil em leilões, em que pese a instabilidade econômica.

“Muito mais do que preços individuais, avaliamos 2016 de uma maneira mais ampla. As exposições foram muito bem, com grande participação de criadores. Isso ocorreu tanto nas competições regionais como na Exposição Nacional do Cavalo Árabe, uma das melhores já realizadas no Brasil”, destaca Fabio Amorosino, presidente da ABCCA.

Outro fator que contribuiu para o bom ano do Cavalo Árabe foi o crescimento das provas funcionais, que testam a agilidade e a resistência da raça. “Team penning, ranch shorting, enduro, hipismo, tambor e baliza A cada ano que passa o Árabe torna-se presença obrigatória nessas competições, atingindo resultados excelentes e se destacando pela funcionalidade”, ressalta Amorosino.

Essa versatilidade do Cavalo Árabe é confirmada pelo aumento das vendas de animais para competições, marca do novo momento da criação de cavalos no Brasil. “A atividade equestre está muito diversificada. Os criadores buscam animais funcionais, com aptidão para provas e também para cavalgadas e lazer. O Árabe expressa muito bem essa soma de características, motivo pelo qual tem crescido acima da média das demais raças”, informa o presidente da ABCCA.

O Cavalo Árabe também teve um ano de sucesso no Jockey Club de São Paulo, com 12 corridas, sendo uma internacional. No total, foram distribuídos R$ 300 mil em prêmios, oriundos integralmente de patrocinadores de Emirados Árabes Unidos. “Já estão confirmados patrocinadores de EAU e Qatar para 2017”, informa Almir Ribeiro, Vice-Presidente de Provas da ABCCA.

“O Cavalo Árabe brasileiro continua atraindo a atenção dos selecionadores do exterior pois é reconhecido pela qualidade. Em 2016, não foi diferente e a genética nacional manteve-se valorizada pelos investidores internacionais”.

Fonte: Assessoria de Imprensa

  • Compartilhe
  • <