Por Fora
das Pistas

Notícias

Os cavalos islandeses são pequenos, peludos e dóceis (Foto: Divulgação)

28 de julho de 2017

Cartas de Reykjavík, Islândia: Cavalos amigos

Em uma viagem de carro pela Islândia sempre se vê paisagens deslumbrantes, mas outra coisa que também atrai a atenção de quem passa são os vários cavalos espalhados pelos campos. São cerca de 80 mil deles, todos partes de uma única raça, uma das mais puras e antigas do mundo.

Desenvolvido a partir de cavalos trazidos para a Islândia pelos vikings no século IX, o cavalo islandês sobreviveu no país por mais de mil anos sem reprodução cruzada. A criação seletiva e a seleção natural ao longo dos séculos desenvolveu a raça em sua forma atual.

São animais bastante resistentes, conhecidos por sua capacidade de atravessar terrenos acidentados, tendo permanecido o único modo de transporte por séculos, até o primeiro automóvel chegar ao país em 1913.

Semana passada tive a oportunidade de conhecer mais de perto alguns desses cavalos após uma visita a um haras. Não sou uma pessoa louca por cavalos, mas o cavalo islandês gera simpatia até nas pessoas que tem medo do animal.

Eles tendem a ser muito dóceis e sociáveis, adorando estar ao redor das pessoas. Basta passar perto que eles se aproximam curiosos. Talvez por não terem predadores naturais na Islândia, eles sejam assim tão amigáveis, sem qualquer tendência a dar coices ou mordidas. Dizem que alguns cavalos são tão espirituosos e tem tanta personalidade que é como brincar com um cachorro grande.

O que mais chama a atenção no animal é como ele é pequeno e peludo. Parrudo, no inverno ele tem um longo pêlo desgrenhado que chega a 10cm de comprimento. A pelagem é em duas grossas camadas para ajudar a protegê-lo do frio e a traqueia é mais estreita para proteger o pulmão do ar congelante. Embora sejam baixinhos, com cerca de 100 a 130cm de altura, e tenham características semelhantes a pôneis, são cavalos e os islandeses detestam que os animais sejam chamados de pôneis.

Eles são tradicionalmente criados em manadas e vivem em estado semi-selvagem. Com até 42 combinações diferentes de cores, o cavalo islandês é um dos mais coloridos do mundo. Alguns tipos até mudam de cor por estação, podendo, por exemplo, ser castanho no inverno e branco na primavera.

Uma das coisas que faz com que muitas pessoas considerem o cavalo islandês uma das raças mais interessantes é o fato de que o animal é capaz de cinco diferentes tipos de andamento, duas a mais que outros cavalos. Além da caminhada comum, trote e galope comumente exibido por outras raças, a especialidade do cavalo islandês é o “tölt”, um trote meio lateral muito suave – confortável para o cavaleiro e elegantemente executado pelo cavalo – que pode ser lento e gracioso ou rápido e prolongado. O outro passo único da raça islandesa é o “skeið”, ou passo voador, que é quando o cavalo se move de tal modo que há um momento de suspensão onde o cavalo “voa”.

Qualquer visitante ao país não demora a descobrir que uma viagem pelas estradas islandesas nunca é completa até se parar para acariciar um cavalo ou dois. O país é umas das áreas mais “densas em cavalos” do mundo e o cavalo islandês é exatamente como a Islândia gosta de se perceber: pequena, mas forte e interessante.

Fonte: Globo

Beatriz Portugal – É jornalista e mora na Islândia de onde escreve matérias, crônicas e contos.

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.