Por Fora
das Pistas

Notícias

Proprietário de cavalo foi visitado e teve a oportunidade de ter o animal cadastrado, ontem, pelos técnicos da Adaf (Foto: Antonio Menezes)

28 de agosto de 2016

Cadastro de cavalos e burros gera temor entre os criadores no Tarumã

O medo que donos de cavalos e burros tem de serem multados ou de perderem seus animais pode travar a iniciativa do governo de realizar o cadastramento de equinos no Tarumã, na Zona Oeste. A ação ocorreu ontem, mas apenas cinco propriedades foram cadastradas.

Segundo o governo, o objetivo da ação é georefenciar as propriedades que possuem burros, cavalos, pôneis e outros equinos para controle e fiscalização. Contudo, a ação parece não ter sido bem recebida entre os donos de animais naquela região. O medo, segundo um dos criadores que pediu para não ser identificado, é com relação a documentação dos animais.

Ele contou que muitas pessoas criam animais inocentemente e muitos não têm a documentação da propriedade e dos animais como alguns exames que eles precisam fazer regulamente para atestar a boa saúde. De acordo com o criador, são pelo menos cinco tipos de exames e não são tão acessíveis. “Muitas pessoas não tem condições de fazer esses exames, são bem caros e, às vezes, burocráticos”, disse o criador.

Para o criador, esse pode ser um dos motivos para que a maioria dos donos de animais não terem ido a ação para realizar o cadastremento da propriedade e dos animais. “Acho que o medo é de perder os animais também”.

O coordenador do programa Nacional de Sanidade Equídea, Paulo Cabral, afirmou que apesar do possível temor dos donos dos animais, o cadastro ocorrerá normalmente. “Nós divulgamos e pedimos que eles viessem até nós, aqui na Associação dos Vaqueiros, mas como eles não apareceram nós iremos atrás deles nas propriedades”, disse Cabral.

A ação, que ocorreria apenas ontem, agora se estenderá por pelo menos duas vezes no mês ou até mais. O coordenador afirma que, por hora, o cadastramento é apenas para controle, mas muitas pessoas estão intimidadas porque pensam que podem ser multadas. “Nesse momento nós não estamos multando, nós estamos cadastrando e, até, orientando essas pessoas quanto à documentação necessária”, disse.

Consequências

Caso o cadastramento não ocorra como o esperado, os funcionários da Agência de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal (Adaf) irão iniciar ações nos rodeios realizados no Tarumã.

De acordo com os servidores, nesses eventos será impossível que os animais participem sem que sejam cadastrados logo na entrada. Outras ações de conscientização devem ocorrer durante os eventos. O cadastramento também deve ocorrer em outras zonas da cidade.

Fonte: A Crítica

  • Compartilhe
  • <