Por Fora
das Pistas

Notícias

Carlos Parro durante a prova de saltos (Washington Alves/Exemplus/COB)

10 de agosto de 2016

Brasil fecha o CCE na Rio 2016 em 7º, a melhor da história

A equipe brasileira fechou sua participação no Concurso Completo de Equitação com um histórico 7º lugar. Essa foi a melhor classificação de todos os tempos. Em Londres, o time que também contava com Marcio Carvalho Jorge e Ruy Fonseca, fechou a participação em 9º. Na classificação individual o Brasil ficou com dois cavaleiros entre dos 25 melhores, Carlos Parro e Marcio Jorge, que disputaram a final. Eles garantiram o 18º e o 25º lugar respectivamente. Até então o melhor resultado que Parro havia conquistado era o 21º lugar, em, Sidney 2000. A equipe brasileira chegou para a competição com o 5º lugar, dependendo de percursos limpos na primeira prova de salto. Como uma das quatro equipes que ainda possuíam a nota de descarte, os cavaleiros somariam os pontos dos três melhores da prova.

Primeiro na pista, Ruy Fonseca, veterano da equipe, foi eliminado nos primeiros obstáculos da prova. Sua montaria, Tom Bombadill refugou e o cavaleiro chegou a cair, perdendo assim o direito de continuar na disputa. “O cavalo estava saltando uma das melhores pistas até o momento, ele recuperou muito bem do cross de ontem. Não consigo julgar se foi algo errado que eu fiz, a gente estava em uma boa apresentação e quando o cavalo perde um pouco do reflexo eles pensam sempre mais rápido que nós, são mais fortes também, nos deixam sem opção, eu não tive chance. E assim acaba acontecendo esses acidentes de percurso. Agora é ver alguns vídeos, o que pode ter acontecido, mas não mexer muito nessa ferida. Já aconteceu isso comigo no passado, com outros cavalos, mas a vida continua. A preparação que tivemos foi a melhor, mas tudo pode acontecer. E foi em uma Olimpíada, especial e em casa. Vai ser um pouco salgada de engolir essa”, lamenta Ruy.

Marcio Appel entrou em seguida na pista e fechou a competição com 16 pontos por faltas. Fora da zona de classificação, o cavaleiro encerrou sua participação nos Jogos do Rio na 39ª posição, com 137.60 pontos. “Eu estava esperando um pouco mais do meu resultado, meu forte no CCE é essa prova de salto. Eu vim dessa modalidade, o meu cavalo também, mas realmente é muito diferente você saltar depois do cross. Os cavalos chegaram exaustos. Acho que eu podia ter evitado uma ou duas faltas, mas no geral acho que a minha primeira participação em Olimpíada foi muito boa. O armador aqui fez um tempo muito apertado, o que nos obrigou a manter um ritmo forte, arriscando o tempo todo”, comenta Marcio Appel.

Terceiro brasileiro na pista, Marcio Carvalho Jorge saltou também considerando pontos para a disputa individual. Na primeira prova cometeu duas faltas e excedeu o tempo limite concedido, ficando com 10 pontos e chegando para a final individual com 80 pontos perdidos. “Eu não fiquei triste com o meu resultado final, mas não fiquei tão satisfeito. As faltas não eram o que eu esperava. A égua estava meio tensa, olhando em volta, isso a desconcentrou, o que provocou a primeira falta. Não foi o que eu queria, mas foi muito melhor que a história toda. Mas pior que os resultados que estávamos tendo na Europa, antes de vir para os Jogos do Rio. Tivemos uma evolução, chegamos perto dos melhores, agora não podemos parar, esse processo não é rápido, é a longo prazo mesmo, e ainda temos muita competição para participar”, comentou Marcio. Após a segunda rodada da competição, na prova individual, Marcio ficou com 88 pontos, na 25ª colocação.

Ainda com chance da medalha individual, Carlos Parro foi o último brasileiro a saltar na pista do Complexo Olímpico de Hipismo, em Deodoro. O cavaleiro chegou para a disputa em 7º lugar, e com as faltas cometidas na primeira passagem, somou 63.30 pontos para disputa final. “Eu esperava ter saltado melhor, um erro me custou duas faltas. E isso me tirou uma chance de medalha, que estava no caminho certo. O resultado da equipe é muito bom, ficamos perto de algo mais expressivo, o que mostra que logo chega a medalha”, comenta Parro. Após a disputa individual o brasileiro ficou na 18ª posição no ranking, com 75.30 pontos.

Nesta quarta-feira, dia 10, começa a disputa do adestramento, com Pedro Tavares de Almeida e Giovana Pass na pista. Dia 11, segundo dia da classificação, Luiza Tavares de Almeida e João Victor Marcari Oliva se apresentam no Complexo de Hipismo em Deodoro.

Fonte: mktmix

  • Compartilhe
  • <