Por Fora
das Pistas

Notícias

Albano Martins; foto: divulgação

27 de fevereiro de 2018

Anima ameaça bloquear cavalos do Jockey Club de Macau, na China

A Anima – Sociedade protetora dos animais de Macau ameaça bloquear a importação de cavalos da Austrália se o Jockey Club não melhorar as condições dos animais. O presidente do grupo teme também que o plano de viabilização da empresa implique a utilização de terrenos para projetos imobiliários.

Se o Macau Jockey Club não cumprir a promessa de melhorar as instalações para os animais, “não teremos outro remédio senão tentar bloquear a entrada de cavalos da Austrália”, ameaça Albano Martins. O presidente da Anima disse ao PONTO FINAL que vai também lutar para que um eventual aproveitamento dos terrenos do Jockey Club para imobiliário incluam habitação “para a classe média”.

O contrato de exploração de corridas de cavalos do Macau Jockey Club termina amanhã, mas no sábado o diretor da Companhia de Corridas de Cavalos, disse estar confiante que a Direcção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ) vai anunciar esta semana uma extensão superior a dois anos. Thomas Li repetiu também a promessa, já feita em 2015, de melhorar as instalações para os cerca de 340 cavalos que o espaço alberga, nomeadamente os estábulos.

Albano Martins diz que vai esperar para ver, mas avisa que a empresa não pode “continuar a maltratar os cavalos retirados e matá-los em condições desumanas”. Em Setembro passado, a Anima denunciou que dois cavalos já retirados da competição tinham morrido “à fome” em espaços degradados e sem climatização. O presidente do grupo sublinha que a empresa não permite que a Anima esteja presente quando há animais que são abatidos e lamenta que isso aconteça “de uma forma que acaba por ser cruel”.

Se nada mudar, avisa o ativista, então a Anima está preparada para parar as exportações de cavalos para Macau. “Nada que seja novo para nós”, recorda Albano Martins. A Anima conseguiu em 2015 que o Canídromo – que, tal como o Jockey Club, faz parte do império do jogo de Stanley Ho – deixasse de receber galgos da Austrália, após uma campanha mediática ter revelado as condições em que os cães eram tratados.

Fonte: pontofinalmacau

  • Compartilhe
  • <

Os comentários estão desativados.